DANÇA – Música/Ritmo/Movimento

Música – A música é um fenômeno corporal de grande receptividade. Mesmo antes de nascer ainda no ventre da mãe a criança já entra em contato com o universo sonoro: vozes de pessoas, sons produzidos por objetos, sons da natureza, dos seres vivos, do acalanto de sua mãe e outros. É muito grande a influência que a música exerce na criança. Podemos notar num bebê que ao mínimo som se movimenta, que a música estimula suas funções sensoriais e afetivas. E é por esse motivo que a música deve fazer parte da nossa proposta educacional, sem levar em conta seu fator estimulante, pois é muito bom dançar com música, a criança canta, dança e se movimenta; se realiza. A música sempre esteve ligada a vida do homem. O homem primitivo já dançava, e para dançar, além dos instrumentos que eles utilizavam para emitir o som e formar a música eles cantavam. A música era vista em diferentes enfoques: ora arte, ora magia ou até mesmo ciência, mas sua função mística desempenhava diferentes papéis em diversas culturas e épocas. No período Colonial e Império a música brasileira seguia os padrões da música européia pela influência política da época. Com as transformações sociais e políticas no final do século XIX, a nossa música começou a emergir e a ganhar um espaço de caráter nacionalista, um caráter brasileiro com ritmos de influência africana, européia e ameríndia. Porém, o conceito de música varia muito de cultura para cultura pois cada povo tem suas tendências e maneira de se expressar. Mas independente da cultura que faça parte, a música possui elementos básicos que se faz necessário conhecermos para poder estarmos melhor adequando as atividades ao ministrar nossas aulas de dança. Harmonia – Sucessão simultânea e combinada de sons, adequados a um rítmo e a uma melodia. A harmonia realça o sentimento que o compositor expressou ao compor a música. Ela define a melodia e aperfeiçoa o som. Melodia – Possibilita que reconheçamos a composição executada. É representada pela figuras e símbolos musicais que determinam o andamento, a tonalidade e a intenção melódica do compositor. Ritmo – O ritmo faz parte de tudo que existe no universo, é um impulso, o estímulo que caracteriza a vida. Ele se faz presente na natureza, na vida humana, animal e vegetal, nas funções orgânicas do homem, em suas manifestações corporais, na expressão interior exteriorizada pelo gesto, no movimento qualquer que seja ele. São combinações infinitas, possui diferentes durações e ou combinações variadas em diferentes formas de movimento, alternando-se com inúmeras formas de repouso. Na música o ritmo é determinado pela melodia e pode ser lento, moderado ou acelerado. Para podermos dançar ou cantar uma melodia precisamos compreender as variações rítmicas que podem ocorrer. Podemos estimular o ritmo na criança através de batidas de palmas, assobios, estalos de dedos, bater as mãos nas coxas, etc. Toda criança é dotada de ritmo que se manifesta antes mesmo do nascimento, cabe ao professor aperfeiçoar esse ritmo e adaptá-lo em inúmeras oportunidades. Um aspecto que vale a pena frisar é de que alguns professores costumam classificar uma criança com dificuldade de acompanhar uma seqüência rítmica como sendo arrítmica, e na verdade o que acontece muitas vezes é a não compreensão da frase melódica e não sintomas de arritmia O ritmo possui dois fatores que determinam sua variação, são eles: Intensidade e duração, e também uma ordem – a métrica. Intensidade – distinção de forte e fraco. Normalmente acentuamos a primeira ou a última figura musical de um agrupamento rítmico. Duração – é quando a intensidade forte ou fraco, soa por um determinado tempo. Figuras musicais com menor duração, rítmo acelerado; figuras musicais com maior duração rítmo lento e com moderada duração. Métrica – É a ordem e a medida do ritmo, representada pelos compassos binários, ternários, quaternários e pelas figuras musicais que preenchem esses compassos. O compasso binário é representado pelo número fracionário designado de símbolo musical 2/4 e equivale a dois tempos na frase melódica; o compasso ternário (3/4 – três tempos); o compasso quaternário (4/4 – 4 tempos) Movimento – Tudo o que vive tem movimento, ele é a mais pura expressão da existência da vida. Os seres vivos necessitam do movimento para sobreviver. O movimento no homem determina a ação corporal que é representada pela expressão da corporeidade. Através dela, o homem se comunica, se alimenta, trabalha, enfim, vive. Podemos considerar o movimento como uma alteração do corpo em diversos segmentos do espaço, também como, uma característica de todo ser vivo, seja ele animal ou vegetal. Através do movimento podemos expressar o ritmo, dançar a melodia e se entregar na harmonia. Ele é a materialização do corpo na conduta humana e o feixe de onde saem as ações concretas do pensamento. É a partir do movimento que podemos perceber as primeiras realizações das crianças e a manifestação do desenvolvimento do sistema perceptivo-sensório-motor. A música tem uma influência muito grande no movimento. E há quem diga que o movimento e a música caminham juntos. Um completa o outro. Dançar sem música não libera os estímulos espontâneos e ouvir uma música e não se movimentar é quase impossível, pois as ligações das raízes dos nervos auditivos estão largamente espalhadas pelo nosso corpo e são mais longas que quaisquer outros nervos. Possuímos alguns fatores básicos no movimento – tempo, espaço, fluência, peso. Tempo – numa seqüência de movimentos o tempo é resultante da combinação de unidades de tempo representada pelos símbolos musicais. Sendo que estes, possibilitam a formação de um compasso musical, podendo ser ele, lento, moderado ou rápido. No tempo, encontramos a pausa, que é a interrupção do tempo num compasso musical. A pausa tem a mesma duração da unidade de tempo equivalente. Está associada a métrica, faz parte do compasso, ou pode preencher um compasso inteiro. A pausa corresponde a um momento de silêncio na música. No movimento um momento de estática. A duração da pausa está associada a métrica, faz parte do compasso, ou, pode até preencher um compasso inteiro. Espaço – É o trajeto percorrido pelo movimento, onde se inicia seu percurso e onde termina. Dentro do espaço encontramos a cinesfera – que é o espaço individual do corpo que se movimenta. Seu limite de alcance é determinado pela extensão ou flexão dos membros superiores e inferiores podendo ser com ou sem deslocamento. Fluência – é a ligação sem interrupção entre um movimento e outro Peso – Pode ser forte ou pesado, ele é a energia do movimento e analisa o movimento em termos da quantidade da força utilizada para realizá-lo. Profª Ms. Érica Verderi – FEFISO/ACM

Deixe uma resposta

Better Tag Cloud